Imagem2

Ouro Preto Collage

Autor: Primitivo Arquitectura (Mario Alberto Pliego Muciño)
de Queretaro, Mexico

OP_Collage_imagem para site 3

(duas imagens a esquerda) perspectivas – processo evolutivo da intervenção / (imagem a direita) corte – a instalação enquadra o acesso à igreja

Selecionada para ser instalada no entorno da Igreja de Santa Efigênia -, inspira-se em dois elementos formais e simbólicos essenciais a esta cidade histórica: a mina e a arquitetura barroca.

O autor se utiliza de recursos espaciais que remetem a experiências relacionadas a estes dois elementos, ao criar um espaço ao mesmo tempo de reflexão e descoberta.

A obra convida à realização de intervenções através de tinta invisível que se revela com luz ultra-violeta. Os frutos destas intervenções, irão acumular-se ao longo do EILD, refletindo verdadeiro encontro dos participantes do evento com a cidade, seus habitantes e eventual público espontâneo, neste local tão representativo quanto limítrofe da cidade.

No parecer do júri, foram especialmente importantes a simplicidade construtiva e interativa, além do potencial de convívio presente na obra, que vê-se, sobretudo, com um espaço de expressão e troca.

CAMPOURO

Autor: Oh my light! Studio (Macarena Meza; Marcela Carmona; Daniela Orellana)
De Santiago, Chile

OP_Campouro_imagem para site 3

(imagem a esquerda) início da intervenção / (imagem a direita) possível resultado

A ser instalada nos Jardins da Ponte Seca, no centro histórico de Ouro Preto – é uma proposta que busca inspiração na época áurea da cidade, ao criar uma composição de elementos dourados e brilhantes, ao mesmo tempo com características de campo a ser semeado pelos participantes.

As autoras pretendem criar uma experiência de relação poética entre as paisagens natural e construída da cidade, através da transformação gradual desta instalação que se inicia com varas de diferentes alturas que,  recebendo pétalas translúcidas, que passarão a criar efeitos de cores e luz.

Serão estes efeitos e a apropriação das pessoas que repovoarão este espaço hoje obsoleto na cidade, recuperando seu potencial de convívio e convivência, através da imersão em um jogo de luz criado tanto por meio de fontes artificiais à noite quanto pela interação do material translúcido e brilhante com o sol durando o dia.

O parecer do júri menciona como diferencial da proposta a percepção diurna da mesma, que faz-se valer da luz natural como fonte de efeitos desejáveis e importantes tanto para a construção progressiva quanto para o desfrute da instalação. Ao mesmo tempo, foram importantes para sua seleção o caráter lúdico e a viabilidade executiva da proposta.

 

Sobre o Concurso

Em fevereiro deste ano, o EILD 2016 lançou um Concurso Internacional com o objetivo de selecionar duas instalações urbanas de caráter interativo, as quais deveriam ser pensadas para serem progressivamente transformadas e efetivamente construídas com a colaboração de todos os participantes do Encontro em conjunto com a população de Ouro Preto, de forma livre e espontânea, ao longo do EILD.

foto-concurso

Em coerência com a Linha Editorial do evento e o papel das Intervenções dentro dos objetivos gerais do EILD, as propostas para instalações urbanas deveriam potenciar o Patrimônio e a Paisagem presentes em Ouro Preto, ao se inspirar em dois elementos distintos: a Janela – elemento construtivo de particular importância no patrimônio construído, reflexo do próprio processo de evolução arquitetônica e urbanística da cidade de Ouro Preto e fundamental no enquadramento das paisagens singulares desta cidade; e a Ponte – objeto arquitetônico de união entre dois espaços, duas realidades, definindo-se como dinâmica, estimulando reflexão sobre a história da cidade de Ouro Preto.

O EILD recebeu inscrições de diversos países, tais como Brasil, Grécia, Estados Unidos, Alemanha, Chile, Colômbia, Espanha, México, Argentina e outros.

O júri contou com a participação dos parceiros institucionais IPHAN MG – representado pelos profissionais André Henrique Macieira e Leonardo Barreto, e IFMG – representado pelos professores Alex Bohrer e Haroldo Paiva, além das lighting designers Diana Joels e Mariana Novaes, integrantes do Comitê EILD.

Após um processo de avaliação que iniciou-se com uma etapa individual e finalizou-se em uma reunião presencial em Ouro Preto no dia 12 de maio, o jurado selecionou como vencedoras as propostas Ouro Preto Collage e Campouro, a serem instaladas nos arredores da Igreja de Santa Efigênia e na Ponte Seca, respectivamente.

As intervenções urbanas revestem-se de especial importância como legado do EILD para a cidade de Ouro Preto uma vez que serão doadas à cidade, através de sua transferência para o campus do IFMG, passando a integrar o programa Arte no Campus do Instituto. As intervenções também contam com a aprovação e o apoio e da Paróquia da Igreja de Santa Efigênia, e das Secretarias de Patrimônio e Cultura, Meio Ambiente, e Turismo, Comércio e Indústria.

Outra interface fundamental, cuja relevância foi considerada durante o processo seletivo, foi a contra-partida educativa defendida pelas propostas, uma vez que o projeto prevê residência artística em Ouro Preto nas duas semanas anteriores ao EILD, em parceria com a FAOP – cujos alunos serão beneficiários de atividades desenvolvidas pelos autores das obras selecionadas.

Mais detalhes e informações sobre as regras do Concurso aqui.